Home » DESTAQUES » Levantamento da ABIH Nacional aponta recuperação na taxa de ocupação hoteleira do país após primeira quinzena de julho

Levantamento da ABIH Nacional aponta recuperação na taxa de ocupação hoteleira do país após primeira quinzena de julho

De acordo com levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH Nacional, com o final da Copa do Mundo e a alta do dólar, que vêm refletindo no turismo interno, a segunda quinzena de julho alavancou a média de ocupação da hotelaria nacional do mês. O levantamento também apontou uma recuperação das taxas de ocupação no país, em comparação a 2017, mas o setor mostra-se preocupado com a retração da diária média nos principais destinos.

 “Invariavelmente, a Copa do Mundo ocasiona uma queda na taxa de ocupação, mas vimos uma recuperação em todo país, durante a segunda quinzena. A alta do dólar também já começou a influenciar o turismo interno e a opção pelo destino nacional é a mais coerente” analisa Manoel Linhares, presidente da ABIH Nacional.

As férias na Argentina também ajudaram a aquecer a ocupação em destinos como Rio de Janeiro e Santa Catarina, que estão vendo também uma maior circulação de turistas do Mercosul e países latinos.

“Em nosso levantamento com as ABIH´s Estaduais, registramos que além do argentino, os uruguaios, paraguaios, chilenos e colombianos estão começando a chegar em maior número ao Sul do país e os turistas, vindos do estados do Sul e do Norte, têm aumentado no Rio de Janeiro” completa Linhares.

No Rio de Janeiro, os finais de semana de julho no interior, a exemplo da Região Serrana, vêm registrando uma taxa media de ocupação de 88 a 90%. Na capital, a expectativa é fechar o mês com 60% de ocupação, contra os 56,85% registrados no ano passado.

Em São Paulo, julho apresentou um crescimento de ocupação  no litoral e interior de  4% a 7% em relação a 2017. A capital tem confirmado um crescimento de 1% de ocupação durante o período, notadamente porque o próprio período de férias diminui a hospedagem de negócios.

No Ceará, apesar da Copa, Fortaleza, em julho, registrou uma média de 83%, muito devido ao Carnaval fora de época, o Fortal, contra os 82% registrados em 2017.

Na Bahia, que tem comemorado uma recuperação em sua hotelaria, em julho, a taxa de ocupação de Salvador superou os 60% de ocupação, índice maior do que os 56,8% registrados no mesmo período de 2017.

Em Pernambuco, a primeira quinzena do mês confirmou a retração causada pelos jogos da Copa. Em Recife, julho alcançou 60%. Em 2017, essa taxa foi de 65%. Com essa retração pontual, Porto de Galinhas também viu sua taxa de ocupação cair para 80% esse ano, sete pontos percentuais abaixo de julho de 2017.

No Rio Grande do Norte, Natal atingiu 76% de ocupação em seus hotéis durante o mês.

Alagoas, no segundo semestre de 2017 e início de 2018, teve a abertura de quatro hotéis em Maceió, mas vem mantendo sua ocupação, apesar do aumento de ofertas de leitos, e atingiu 72% de ocupação durante o mês de julho.

No Sul do país, Santa Catarina também registrou uma queda na ocupação durante a primeira quinzena do mês e fecha o mês com 70%. Em 2017, a ocupação foi de 82%.

No Rio Grande do Sul, Porto Alegre, registrou uma ocupação na ordem de 57%, ficando seis pontos percentuais acima de 2017, que fechou em 51%.

Na Serra Gaúcha, Gramado baterá 85% de ocupação, perdendo somente 1% de sua ocupação em relação a 2017.

No Paraná, Curitiba fecha o mês com 63% de ocupação e Foz do Iguaçu 76% de ocupação no mês julho.