Home » GOVERNO » Embratur firma parceria para desenvolver turismo de pesca esportiva

Embratur firma parceria para desenvolver turismo de pesca esportiva

Instituto assina acordo de cooperação com a Anepe para ações de fomento e promoção internacional do segmento

A Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) e a Anepe (Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva) assinaram, nesta quarta-feira (26), em São Paulo, acordo de cooperação técnica para desenvolver o Turismo de Pesca Esportiva no Brasil e atrair mais turistas internacionais para praticar a atividade nos rios e mares brasileiros. O documento técnico foi assinado pelos representantes dos dois órgãos, Teté Bezerra, presidente da Embratur, e Antônio Carlos de Araujo, presidente da Anepe, durante a agenda de atividades da ABAV Expo 2018, importante feira do setor de turismo da América Latina.

O acordo visa reunir esforços e expertises dos órgãos para a elaboração, execução e implementação, por meio de apoio técnico e operacional, de eventos, ações, projetos e programas, como feiras e workshops, destinados à promoção e ao fomento do segmento no Brasil, na modalidade pesque e solte.

De acordo com a presidente da Embratur, a iniciativa é um passo importante para o incremento de uma atividade na qual o Brasil tem potencial significativo e pode ampliar o número de turistas internacionais que visitam o País para a prática do esporte. Segundo dados da Anepe, o Brasil recebe, anualmente, de 10 a 15 mil turistas internacionais para a pesca esportiva.

“Com o tamanho potencial que temos para essa atividade, é notável a oportunidade de crescimento que temos nessa área e precisamos trabalhar para aumentar significativamente esse número de esportistas estrangeiros, impulsionando a criação de novos postos de trabalho”, analisa Teté Bezerra.

A pesca esportiva está ligada diretamente ao turismo e a prestação de serviços, gerando cerca de 200 mil empregos diretos e indiretos. O Brasil tem grande quantidade de rios e lagos e dispõe de um litoral com quase 7,5 mil quilômetros de extensão. Neste cenário, o País apresenta diversos produtos turísticos localizados em diferentes regiões e biomas, como Amazônia e Pantanal, além de grandes rios com potencial para a pesca como o Rio Araguaia, o Rio São Francisco e o Rio Uruguai.

Para se ter ideia do potencial a ser desenvolvido, os Estados unidos têm uma renda anual oriunda da pesca esportiva da ordem de US$ 115 bilhões. O Brasil, com um potencial ainda maior, tem renda em torno de US$ 3 bilhões, segundo a Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva.

O presidente da Anepe, Antônio Carlos de Araújo, considera que a assinatura do acordo marca o compromisso efetivo do Estado brasileiro com o Turismo de Pesca.

“Essa iniciativa é um marco para o Turismo de Pesca Esportiva no Brasil. Temos um potencial imenso e o grande desafio é saber usar esse patrimônio natural com inteligência. Não apenas inteligência ambiental, voltada para a preservação, mas inteligência para trabalhar comercialmente esse patrimônio, conservando-o. O Brasil pode ser referência nesse segmento e se transformar na maior vitrine de pesca do mundo”.